Cabelo roxo com L’Oréal Colorista Paint Midnight Purple!

Oi gente!

Eu não sossego com o meu cabelo, e agora que faz quase um ano que eu cortei ele curto, eu já vinha há um tempo pensando em que mudança eu faria haha! Desde que pintei meu cabelo de ameixa em 2016 eu vinha considerando pintá-lo de roxo, porque eu gostei bastante de como ele ficava roxo escuro na sombra. Resolvi agora colocar o desejo em prática e pintar meu cabelo com a tinta L’Oréal Colorista Paint na cor Midnight Purple!

A escolha da tinta e dos materiais

Eu resolvi que queria comprar uma tinta permanente, porque tintas semi-permanente ficam o tempo todo manchando suas toalhas, roupas e fronhas quando seu cabelo está molhado, e eu não tenho paciência pra isso rs. Fora que cores semi-permanentes muitas vezes não aparecem em cabelos escuros, já que elas só criam uma “capa” em volta do seu cabelo e não tiram o pigmento natural. Vide por exemplo quando eu tentei pintar o cabelo com uma tinta semi-permanente turquesa. Por outro lado, quando eu usei uma tinta semi-permanente burgundy, deu certo.

Encontrar uma tinta roxa permanente na farmácia não foi uma tarefa muito simples. Eu queria uma cor que não fosse muito avermelhada, e apesar de a tinta L’Oréal Préférence Infinia P38 Violet Vendetta parecer promissora, as resenhas online sobre elas eram muito ruins. Evitei usar tintas da linha Schwarzkopf Live porque minha cabeleireira uma vez me disse que é impossível removê-las do cabelo ou cobri-las com outra cor, então fiquei com medo rs. Optei então pela L’Oréal Colorista Paint Midnight Purple porque, apesar de ser uma cor nova e com poucas resenhas, as disponíveis eram bem positivas.

A caixa vem com o pigmento (que contém amônia), o “developer” – não sei como é o nome em português! (que contém água oxigenada), um condicionador, luvas e um pincel. O pigmento é na cor 3.16, o que significa que em termos de claro/escuro, ela é o equivalente a castanho escuro, e contém pigmentos azuis e vermelhos (entenda o que significam os números aqui!). Como eu ia aplicar a tinta em casa, eu comprei um kit com uma tigela plástica para misturar a tinta e que também vinha com pincel, presilhas plásticas e luvas de vinil porque as que vêm no kit são muito ruins e te dão pouca destreza. Nunca use nada de metal com tintas que contêm água oxigenada (peróxido de hidrogênio), porque o metal vai acelerar a decomposição do peróxido e isso vai estragar a tinta! Acabei usando o pincel que veio com a tigela e não com a tinta porque o cabo era mais longo e mais fácil para separar o cabelo. Também comprei vaselina, para passar nas orelhas e na testa e evitar manchar a pele com tinta.

cr8

A caixa da tinta, os materiais que eu usei e uma comparação do pincel que veio com a tinta (esquerda) e o que eu acabei usando (direita).

Pintando o cabelo

Comecei a preparar meu cabelo para tingi-lo dois dias antes: lavei a cabeça e usei uma máscara de hidratação para garantir que o cabelo estaria o mais saudável possível. Não passei nenhum produto no cabelo (mousse, leave-in, etc) porque isso poderia interferir na ação da tinta e não lavei a cabeça até tingir o cabelo, para que os óleos produzidos naturalmente pelo meu couro cabeludo o protegessem da amônia e da água oxigenada.

Antes de passar a tinta no cabelo todo, eu quis testá-la em uma mecha para ver se eu gostaria da cor. Escolhi uma mecha próxima da orelha, que ficaria coberta caso eu resolvesse não pintar o cabelo todo, e usei uma colher de plástico para misturar o pigmento e o developer na proporção que as instruções mandavam (1:1). Ou seja, usei uma colher de pigmento e uma colher de developer, misturei e apliquei com o pincel na mecha. É muito importante não fechar totalmente a tampa do developer uma vez que você a abrir, porque a água oxigenada vai começar a se decompor (gerando gás oxigênio) e se você fechar totalmente a tampa, o gás vai fazer o tubo expandir e ele pode explodir! Lembre-se também de usar uma blusa e uma toalha velhas que você não ligaria se manchassem de tinta. Deixei a tinta agir por 30 minutos como mandam as instruções, enxaguei (só a mecha mesmo, não o cabelo todo) e sequei com secador para ver o resultado. Como gostei, resolvi pintar a cabeça toda.

c9

“Visu” mara com a mechinha pintada de tinta e o resto do cabelo preso. rs

Esse método de testar a tinta antes de se comprometer totalmente é muito bom caso você esteja em dúvida, mas dá um pouco de trabalho. Além de demorar mais porque você tem que esperar essa mecha ficar tingida, enxaguar só uma parte do cabelo é meio chato. Eu não queria molhar a cabeça toda porque o cabelo precisa estar seco para usar essa tinta e porque eu não queria retirar a oleosidade do meu couro cabeludo, então enxaguei a mecha na pia com a ajuda de um spray com água. Uma vez que eu resolvi pintar o cabelo todo, eu tive que prender essa mecha com um elástico bem fininho para separá-la, assim eu não passaria tinta nela de novo e não correria o risco de a cor ficar estranha e meu cabelo super danificado! Mas valeu a pena porque ter testado a cor antes me deixou bem mais segura na hora de pintar o cabelo todo.

Misturei então todo o restante do pigmento e do developer. Eu não consegui tirar fotos enquanto pintava o cabelo porque teria sido muito complicado, me desculpem. O que eu fiz foi dividir meu cabelo em 5 partes: coloquei minha risca no meio e prendi cada lado da franja e cada lado da parte de trás, ficando com o topo do cabelo (da orelha para cima) dividido em quatro. A parte de baixo ficou solta porque meu cabelo é muito curto, mas se eu pudesse teria dividido ela no meio também, seguindo a risca.

Quem pintou meu cabelo foi meu marido, porque ele disse que preferia pintar do que ficar plantado atrás de mim segurando um espelho enquanto eu mesma pintava haha! Ele pintou uma parte do cabelo por vez, começando pela nuca, pintando primeiro a raiz, aí passando o pincel no comprimento todo do cabelo, e usando o cabo do pincel para levantar a parte pintada e repetir o processo na mecha de baixo. Depois de pintar todo o cabelo de uma parte, ele esfregou a tinta que já estava no cabelo com as mãos, massageando minha cabeça e garantindo que a tinta estivesse bem espalhada. Ele fez a mesma coisa com cada parte do cabelo, e na frente ele tomou bastante cuidado para pintar bem os cabelos envolta da testa, incluindo as “costeletas”. Mesmo demorando para pintar a cabeça toda, não houve problema, a tinta não “estragou” e a parte que ele pintou primeiro não ficou diferente da parte que ele pintou por último. Essa técnica deu muito certo e meu cabelo ficou totalmente pintado por igual!

Por fim, eu amarrei um saco plástico (de supermercado mesmo) na cabeça e esperei 30 minutos. Depois entrei no banho para enxaguar o cabelo e mesmo fazendo isso por bastante tempo, ainda saiu tinta, então espero que não fique saindo tinta toda vez que eu lavar o cabelo porque aí terei o mesmo problema do que se a tinta fosse semi-permanente… Eu tive esse problema quando pintei o cabelo com a Garnier Olia Deep Violet uma vez (e apesar de ela ser número 3.16 também, ela ficou mais avermelhada que a Midnight Purple da L’Oréal). Passei o condicionador que veio com a tinta (sem shampoo, de acordo com as instruções) e deixei o cabelo secar naturalmente.

Pintar o cabelo com essa tinta fui super tranquilo. A tinta é bem grossa e não fica pingando, e ela não mancha seu banheiro: mesmo onde acabamos deixando cair tinta na pia e na banheira, ela saiu super fácil com um pouco de água (sem sabão nem nada!). E nos lugares onde minha pele ficou pintada e eu não tinha passado vaselina, a tinta saiu com água, sem dificuldade nenhuma. A tinta tinha certo cheiro de amônia mas não era muito forte, mesmo eu pintando o cabelo em um banheiro pequeno e com ventilação ruim. Eu usei a tinta toda para pintar meu cabelo e eu tenho cabelo curto e pouco cabelo, então alguém com muito cabelo e cabelo longo com certeza precisa de no mínimo 2 caixas.

O resultado

A cor ficou de fato roxo escuro, mas mais vermelha no sol do que eu gostaria. “Roxo” é uma cor que tende mais para o vermelho do que “violeta”, que tende mais para o azul, então talvez uma cor violeta fosse mais o que eu tinha em mente. No entanto, não encontrei nenhuma tinta de farmácia que, pelas resenhas das pessoas na internet, desse o resultado que eu queria, mesmo aquelas que se dizem violeta.

cr6

Como a cor varia com a iluminação, tentei tirar fotos com quantidades de luz diferentes. A primeira é na sombra e as demais no sol, com as duas de baixo aumentando a exposição da câmera.

Tirei algumas fotos de antes e depois para vocês verem a diferença! Aqui vão fotos na sombra:

cr7cr5cr4

E fotos no sol:

cr2cr3

Em termos de textura, dá para perceber que meu cabelo ficou mais ressecado, o que é normal com tintas permanentes. Pretendo usar uma máscara de hidratação uma vez por semana para manter o cabelo saudável. Me avisem nos comentários se você gostariam que eu escrevesse sobre como manter cabelos coloridos saudáveis e com cores vivas por mais tempo! ;)

Meu veredito final: achei a cor super fácil de manusear, não manchou meu banheiro e não tem cheiro super forte (mas tem certo cheiro de amônia, sim, o que é inevitável). É uma tinta relativamente barata então se não fosse pelo fato de ela ter saído mais avermelhada no meu cabelo do que eu queria, eu compraria novamente. Se você tem cabelo castanho e procura uma tinta discreta na sombra mas vibrante no sol, e que tenha um tom ameixa/vinho, eu recomendo!

E aí, o que acharam? Gostaram da cor? Vocês já pintaram o cabelo em casa, ou costumam ir no salão?

Até a próxima!

Anúncios

Deixe um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s